quinta-feira, 7 de setembro de 2017

MINHA PALAVRA AOS INVASIVOS


Desde que a minha consciência educacional entrou em pratica nos primórdios da minha infância, aprendi a ter respeito pela minha intimidade. Fui educado a respeitar a privacidade alheia e principalmente a focar na minha própria vida. Nunca fui interessado em saber do que não foi destinado a mim, mesmo perante as idiossincrasias de pessoas que tenho afinidade. Seja afetiva, emocional, ou até mesmo profissional. Minha privatividade é sagrada. Os invasivos não são bem vindos! Não obstante quando os consideramos e chamamos de amigos. Numa amizade não devemos nunca invadir o destino alheio sem a permissão do outro. Todos nós, seres humanos, temos segredos e particularidades que não compartilhamos aos metediços e indiscretos. Excluo da minha convivência implacavelmente aquelas pessoas que não possuem limites daquilo que não lhe diz respeito. A confiança é construída pelo comportamento e caráter de cada indivíduo. E mesmo adquirido temos que honrar o que nos foi confiado.  No decorrer dos anos alguns “partiram” do meu conceito de amizade e lealdade. Com isso apenas questionei; por que os curiosos não se voltam pela sua própria vida?




Foto: Luciano Lucci Ramos



É PROIBIDA A REPRODUÇÃO, TOTAL OU PARCIAL, DO CONTEÚDO DE TEXTO E FOTOGRAFIA, SEM PRÉVIA AUTORIZAÇÃO DO AUTOR DA OBRA. PROTEGIDO PELA LEI 9.610/98.

terça-feira, 4 de julho de 2017

DOURADA AURORA


Dourada aurora na minha estrada.
Devoto amor para quem é digno dele.
Desprezo na poeira da minha trilha.
Amargo desleixo.
Seguindo em frente acolitando.
Aqueles que tanto almejo.


                                    Luciano Lucci Ramos



Foto: Luciano Lucci Ramos


É PROIBIDA A REPRODUÇÃO, TOTAL OU PARCIAL, DO CONTEÚDO DE TEXTO E FOTOGRAFIA, SEM PRÉVIA AUTORIZAÇÃO DO AUTOR DA OBRA. PROTEGIDO PELA LEI 9.610/98.

sexta-feira, 30 de junho de 2017

AGUDA INSÔNIA



Aguda insônia, adentra sem anúncio.
Abro-te portas e janelas para adormecer a sentinela.
Convido-te a retirar-se do meu álgido leito.
Peço-te tua ausência, libertando-me da tua presença.
Esquece-me no meu prelúdio, consinta-me devanear.


                                   Luciano Lucci Ramos




Foto: Luciano Lucci Ramos

É PROIBIDA A REPRODUÇÃO, TOTAL OU PARCIAL, DO CONTEÚDO DE TEXTO E FOTOGRAFIA, SEM PRÉVIA AUTORIZAÇÃO DO AUTOR DA OBRA. PROTEGIDO PELA LEI 9.610/98.

quinta-feira, 29 de junho de 2017

O RIO


Como um rio vou escorrendo
Na correnteza fui me perdendo
Na profundeza me encontro
Nas margens do doce rio eu sonho.
Entre campos, vales e florestas em desejos vou banhando.
O rio em afluentes d’agua brotam minhas lagrimas e meu pranto.
Transformando em branca cascata a esperança alcançada.
De alguém que amo tanto.
                               
                                   Luciano Lucci Ramos



Foto: Luciano Lucci Ramos


É PROIBIDA A REPRODUÇÃO, TOTAL OU PARCIAL, DO CONTEÚDO DE TEXTO E FOTOGRAFIA, SEM PRÉVIA AUTORIZAÇÃO DO AUTOR DA OBRA. PROTEGIDO PELA LEI 9.610/98.

terça-feira, 27 de junho de 2017

DESCANSO FELINO



Na minha calmaria, descanso o felino.
Atento a sua alma, sei quem és!
Não atente contra minha calidez.
No meu intento olhar, delimito sua afoiteza.

    
             
                                                                                     Luciano Lucci Ramos




Foto: Luciano Lucci Ramos

É PROIBIDA A REPRODUÇÃO, TOTAL OU PARCIAL, DO CONTEÚDO DE TEXTO E FOTOGRAFIA, SEM PRÉVIA AUTORIZAÇÃO DO AUTOR DA OBRA. PROTEGIDO PELA LEI 9.610/98.

segunda-feira, 26 de junho de 2017

MERAMENTE EU


Impermisto de alma, corpo adulto e pensamento nonagenário. Minutos, horas e segundos, na madrugada, há o encontro das estrelas com os raios solares. Luz do amor omnipotente, meramente eu.

                                   Luciano Lucci Ramos




Foto: Luciano Lucci Ramos


É PROIBIDA A REPRODUÇÃO, TOTAL OU PARCIAL, DO CONTEÚDO DE TEXTO E FOTOGRAFIA, SEM PRÉVIA AUTORIZAÇÃO DO AUTOR DA OBRA. PROTEGIDO PELA LEI 9.610/98.

sábado, 24 de junho de 2017

TRANSPARÊNCIA


Floresce sobre a água a transparência do amor.
Brota do sereno coração a pureza em flor.
Doce verde cristalina água, sacia a sede do sabor.
Candidez em mão molhada do sincero perfume do sublime valor.
Probo na alma com a generosidade de ser quem sou.

                             Luciano Lucci Ramos                               


Foto: Luciano Lucci Ramos


É PROIBIDA A REPRODUÇÃO, TOTAL OU PARCIAL, DO CONTEÚDO DE TEXTO E FOTOGRAFIA, SEM PRÉVIA AUTORIZAÇÃO DO AUTOR DA OBRA. PROTEGIDO PELA LEI 9.610/98.