sábado, 14 de junho de 2014

BAHIA DA MAGIA, ENCANTOS, FEITIÇOS E AXÉ



"Salvador Bahia, cenário de festejos e paixões. Mar translúcido de azul-turquesa. Ar de uma terra que exala cheiro de dendê. Terra mística de feitiço e axé. Encantos em cada canto. Dominada pela miscigenação que reina toda poderosa. Intensa com suas crenças de culinária temperada, no sabor do vatapá e acarajé. Comida dourada e sagrada pelo tão belo sol vermelho das dezoito horas na praia. O Sol glorioso, apresenta a majestade flavescente no Porto da Barra. Os três  faróis  iluminam a noite, o prateado mar, com o luar refletindo na negra água, o véu de Yemanjá. "
                                                                                                          Luciano Lucci Ramos

             FOTOS DA BAHIA DA MAGIA , ENCANTOS, FEITIÇOS E AXÉ






















Fotos da autoria: Luciano Lucci Ramos 


É PROIBIDA A REPRODUÇÃO, TOTAL OU PARCIAL, DO CONTEÚDO DE TEXTO E FOTOGRAFIA, SEM PRÉVIA AUTORIZAÇÃO DO AUTOR DA OBRA. PROTEGIDO PELA LEI 9.610/98.

quinta-feira, 12 de junho de 2014

CAMINHADA (SELFIE) UM AUTORRETRATO


Amor azul, não temos o mesmo sangue... Porém, temos a mesma alma. Acredito piamente no amor, eu respiro porque acredito nisso! Na minha caminhada só o destino para unir o nosso amor.
                                                                 
                                                                          Luciano Lucci Ramos

                                                                                                                   
                                                                                                            







Foto e arte: Luciano Lucci Ramos


É PROIBIDA A REPRODUÇÃO, TOTAL OU PARCIAL, DO CONTEÚDO DE TEXTO E FOTOGRAFIA, SEM PRÉVIA AUTORIZAÇÃO DO AUTOR DA OBRA. PROTEGIDO PELA LEI 9.610/98.

quarta-feira, 11 de junho de 2014

O SORRISO DA FALSIDADE



Com o objetivo de dizimar o próximo ser humano com tramoias... O perigoso sorriso da falsidade é nauseante, cretino, enganador e traiçoeiro. Uma espécie de anestésico disfarçado para esconder o verdadeiro sentimento de cobiça à vista da felicidade, de outrem. O vacilo das vítimas é deixar as portas abertas da casa e do coração, acreditando na nefasta intenção do falso. Toda serpente muda de pele assim é a falsidade. As máscaras é um artefato que fazem parte do estilo da vida e do guarda - roupa do falso. Que cativa o sórdido prazer de jogar com os sentimentos alheios, manipulando pessoas contra pessoas, com o fundamento de satisfazer um doentio bel-prazer na causa da discórdia e açoitando intrigas. O prêmio de desmascarar a traição, é não sentir a falta do traidor, e sim o alívio com um sentimento de libertação. O justo é saber que mesmo despido de escrúpulos o peçonhento falso sucumbi e corrói a própria alma.
























Foto: Luciano Lucci Ramos


É PROIBIDA A REPRODUÇÃO, TOTAL OU PARCIAL, DO CONTEÚDO DE TEXTO E FOTOGRAFIA, SEM PRÉVIA AUTORIZAÇÃO DO AUTOR DA OBRA. PROTEGIDO PELA LEI 9.610/98.




terça-feira, 10 de junho de 2014

A FALSIDADE NA ALMA



Um ser humano com alma e coração, nunca trai a espécie com calúnia, injúria e difamação. Um verme impiedoso, cruel e delinquente é sempre esmagado pela própria consciência. Rasteja verme! Na tua esperteza de achar que é esperto. E que a tua sombra escondida em breve será escarnecida pela verdade. Agradeço aos vermífugos por exterminar os devoradores de vísceras. Que Deus, tenha piedade do traidor e da falsidade. A vida cobra adiante com uma justa solidão no corpo e na alma.

























Foto: Luciano Lucci Ramos
                                          


É PROIBIDA A REPRODUÇÃO, TOTAL OU PARCIAL, DO CONTEÚDO DE TEXTO E FOTOGRAFIA, SEM PRÉVIA AUTORIZAÇÃO DO AUTOR DA OBRA. PROTEGIDO PELA LEI 9.610/98.




                                       

PRAVO ENGANO




O coração enganado, agoniza no peito, ardendo com o veneno da paixão devastadora. Universo, pelo poder dos astros. Suplico, aumente a minha fé. Que a redenção do clamor devaste o pravo da dor.
                                                 
                                                                                     Luciano Lucci Ramos

















Foto: Luciano Lucci Ramos


É PROIBIDA A REPRODUÇÃO, TOTAL OU PARCIAL, DO CONTEÚDO DE TEXTO E FOTOGRAFIA, SEM PRÉVIA AUTORIZAÇÃO DO AUTOR DA OBRA. PROTEGIDO PELA LEI 9.610/98.

segunda-feira, 9 de junho de 2014

ÉRAMOS IGUAIS NAS ROUPAS...


Os três garotos com apenas, seis, cinco e quatro anos corriam pelo parque subindo as escadarias dos monumentos históricos. Apreciando as formas e expressões de cada estátua. Pela idade da criançada, a compreensão histórica passava desapercebido… Tudo tinha um toque de magia em cada descoberta. Os três meninos trajados com as cores, azul, laranja, vermelho e branco, atraiam os olhares curiosos de quem passeava na praça. Era comum, os adultos passar a mão no cabelo da meninada, assanhavam carinhosamente, acolitado dos adjetivos tão conhecidos: “Que fofinhos... Lindinhos!”. 

O loiro mais velho possuía uma personalidade mais forte e com uma eloquência de assustar qualquer adulto. O moreno do meio, sempre afável e criativo. Por fim o loiro caçula, dominava um procedimento mais invasivo, porém, genuíno em suas brincadeiras. Os pequerruchos tinha algo em comum por falta de opção, as suas roupinhas “pseudo-trigêmeos”, que embelezavam o ego doméstico. Obstinado às próprias idéias, o primogênito resolveu execrar o pequeno guarda-roupa fazendo um “IMPEACHMENT”, com sua vigorosa teimosia... Ganhou o “round” em primeiro lugar por conta da sua tenacidade em cativar o coração do próximo. 

Saudade da infância feliz com aquele figurino infantil, cheio de cores e listas. Entretanto, independente das fotos expressarem a “efígie das pessoinhas”, éramos iguais nas roupas até onde eu decidir não ser mais um na multidão.










































Foto: Luciano Lucci Ramos


É PROIBIDA A REPRODUÇÃO, TOTAL OU PARCIAL, DO CONTEÚDO DE TEXTO E FOTOGRAFIA, SEM PRÉVIA AUTORIZAÇÃO DO AUTOR DA OBRA. PROTEGIDO PELA LEI 9.610/98.