quinta-feira, 15 de junho de 2017

BASÍLICA SANTUÁRIO SENHOR DO BONFIM NA SALVADOR BAHIA - EXPOSIÇÃO DE BOLSO XVI





A brisa fresca adentra no sagrado templo, por alguns instantes sentimos a presença dos anjos... Como não ser provocado por alguma sinestesia prazerosa no reduto tão fortemente venerado pelo povo da Bahia?! Estou incluído, sou baiano! Essa mansão da misericórdia acolhe devotos, turistas, peregrinos e curiosos, seja para orar, meditar, clicar lindas fotos ou curiosar. Com as portas abertas a Igreja de Nosso Senhor do Bonfim fica no alto da Sagrada Colina acomodando a todos com fé e história. A igreja de estilo neoclássico, fachada rococó, afrescos e azulejaria dispõe de duas altas torres sineiras, construída entre 1746 e 1754. Segue o mesmo padrão das basílicas portuguesas ente os séculos XVIII e XIX. Senhor do Bonfim, padroeiro dos baianos. As famosas e coloridas fitinhas do Senhor do Bonfim ou (medidas do Bonfim) foram confeccionadas em 1809 com tecido de seda e delicadamente bordadas a mão com acabamento feito em tinta dourada ou prateada. Usava-se no pescoço com medalhas. Atualmente com tecido de algodão são usadas no pulso enroladas 2 vezes e com 3 nós, cada nó um pedido de fé. Cada cor representa uma divindade do sincretismo: Branco: Oxalá, Amarelo: Oxum, Azul claro: Yemanjá, Azul escuro: Ogum, Verde (escuro ou claro): Oxossi, Vermelha: Iansã, Vermelha com letras brancas: Xangô e Verde com letras brancas: Ossain, Colorido ou rosa: Ibeji (erê) e Oxumaré, Roxo: Nanã, Preta com letras brancas: Omulu, Preta com letras vermelhas: Exu e Pomba gira. Mistérios da Bahia retratado pelo meu abençoado Smartphone.































Foto: Luciano Lucci Ramos

É PROIBIDA A REPRODUÇÃO, TOTAL OU PARCIAL, DO CONTEÚDO DE TEXTO E FOTOGRAFIA, SEM PRÉVIA AUTORIZAÇÃO DO AUTOR DA OBRA. PROTEGIDO PELA LEI 9.610/98.