quarta-feira, 7 de junho de 2017

DEPOIMENTO SOBRE A EXPOSIÇÃO - FESTA NO MAR COM PERFUME E PALHA-DA-COSTA (2007)



Quando eu mergulhei no mar azul translúcido da minha mística ideia, de traduzir em imagens fotográficas o poder do mito com seus rituais mágicos e dogmas indevassáveis. Festa no Mar com Perfume e Palha-Da-Costa, posterga qualquer sintoma de insensibilidade quando o assunto é amor de mãe. Retratei com afinco os ritos do candomblé e da umbanda. Vinculando os pescadores com suas histórias de mistérios, e a simbologia da reverencia a Orixá Yemanjá. O contexto se desenvolve em torno da adoção de um amor incondicional entre mãe e filho. Yemanjá encontra o Orixá Omulú-Obaluaê ainda criança, muito ferido na beira do mar que foi abandonado por sua mãe mitológica Nanã Burucu, por ser doente. O elo existente entre as forças divina faz com que Yemanjá mãe de quase todos os Orixãs o acolha do abandono e leva-o para o fundo do mar. Omulu-Obaluaê tem seu rosto e corpo coberto com Filá (Palha-da-Costa) e torna-se o Deus das pestes e doenças contagiosas. No mesmo mar turquesa os pescadores do bairro do Rio vermelho na cidade de Salvador, passavam por uma escassez de peixes. No dia 2 de fevereiro de 1924 foi entregue a Mãe D’agua o primeiro presente com perfumes e flores. O pescado veio em abundância com magnanimidade da Rainha do Mar, originando a festa de Yemanjá na Bahia. Captei imagens de fé e a magia dos adeptos da Princesa de Aiocá. Festa no Mar com Palha-Da-Costa registrou com toda a sua maresia a importância da cultura afro-brasileira.  Assim reverencio a força dos oceanos em transcender toda a inspiração que projetei para a minha câmera fotografia e expor a divindade baiana em duas amostra na Galeria Peirre Verger e na Biblioteca Juracy Magalhães Júnior com perfume e palha-da-costa.


CARTAZ


EVENTO 2007 - Galeria Pierre Verger, com o apoio cultural do Governo do Estado da Bahia.













GALERIA PIERRE VERGER


CONVITE



FOLDER




É PROIBIDA A REPRODUÇÃO, TOTAL OU PARCIAL, DO CONTEÚDO DE TEXTO E FOTOGRAFIA, SEM PRÉVIA AUTORIZAÇÃO DO AUTOR DA OBRA. PROTEGIDO PELA LEI 9.610/98.